SER IPU

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On quarta-feira, 30 de setembro de 2015 at 18:15

A Assessoria de Assuntos Teológicos, que tem como assessor o Rev. Claudio Marcio Rebouças, da IPU de Muritiba/BA, propõe para nós, membros da IPU, que escrevamos um pouco sobre aquilo que nos encanta e desencanta em nossa denominação, em uma forma de nos conhecermos e de promover uma reflexão teológica.
Este trabalho tem como base o texto de Mateus 16:13b que diz: "Quem dizem os homens ser o Filho do homem?"
Quem quiser participar, poderá enviar um texto, de até duas páginas,identificando-se, para nosso assessor (revcacau@hotmail.com) que irá, posteriormente, disponibilizar sua opinião neste espaço.

Participe!

Por: Vinicius Pinheiro[*]

Tenho aprendido na empreitada proposta pelo Evangelho de Jesus que o caminho estreito, da qual trata o capítulo 7 do livro de Mateus, é marcado por encontros, por contato, por aproximação, por empatia, por altruísmo, e, sobretudo, pela manifestação do amor.
Na IPU fui constrangido a seguir por este caminho. Seus membros são a evidência clara da união e da comunhão proposta por esta comunidade. Unem-se liturgia e fé manifesta no amor fraternal que é expresso na militância pelo direito do outro. O outro é quem tem vez, e se não tem voz, a IPU é provocada a ser profeta. Seu templo é apenas uma extensão do coração de seus membros que priorizam o acolhimento em detrimento dos preconceitos, da religião, dos dogmas e do moralismo.
Percebi que esta comunidade propõe uma nova ética de ser da Igreja. E digo nova em comparação ao cenário atual da igreja brasileira e não da proposta ética do evangelho existente há mais de dois mil anos. Uma ética que considera o outro, que faz teologia para o outro, que milita pelo outro, que ouve o outro, e que corre riscos pelo outro, afinal de contas... O caminho é estreito.
Vejo claramente, com os olhos da fé, este Espírito da paz e da promoção da união especificamente no líder da IPU de Muritiba – BA, Rev. Claudio Marcio Rebouças. O sucesso de uma proposta para uma igreja relevante na pós-modernidade está intimamente relacionado a capacidade de compreensão dos líderes da dinâmica social e cultural onde a Igreja se insere, a fim de, utilizando este conhecimento, promover a aproximação da Igreja com o povo, com o pobre, com os homossexuais, com as religiões e com a política. Muitas vezes fui constrangido a examinar a mim mesmo (1Co.11:28), e quando o fiz, achei a omissão e a covardia que não havia no “mano Cacau”.
A IPU é a comunidade que nos provoca a ser culto. Não o culto gramatical, mas o culto ambulante externo ao templo que dá comida ao faminto, roupas aos nus, atenção e voz aos doentes e presos, e visibilidade ao estrangeiro (Mt.25:35). Ser IPU, como pude observar no Rev. Claudio Marcio Rebouças, é ser gente, é ser - humano, é lutar por gente, é lutar por seres-humanos, é dialogar com o outro, é fazer dos dogmas o Dogma do amor.


[*] Graduando em Serviço Social na UFRB.

DAS POSSIBILIDADES DE EMANCIPAÇÃO ATRAVÉS DA IGREJA PRESBITERIANA UNIDA NO BRASIL

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On segunda-feira, 28 de setembro de 2015 at 19:07


A Assessoria de Assuntos Teológicos, que tem como assessor o Rev. Claudio Marcio Rebouças, da IPU de Muritiba/BA, propõe para nós, membros da IPU, que escrevamos um pouco sobre aquilo que nos encanta e desencanta em nossa denominação, em uma forma de nos conhecermos e de promover uma reflexão teológica.
Este trabalho tem como base o texto de Mateus 16:13b que diz: "Quem dizem os homens ser o Filho do homem?"
Quem quiser participar, poderá enviar um texto, de até duas páginas,identificando-se, para nosso assessor (revcacau@hotmail.com) que irá, posteriormente, disponibilizar sua opinião neste espaço.

Participe!
Um dos participantes foi Victor Aurélio, segue o seu texto. 
Por, Victor Aurélio Santana Nascimento.[1]

Os quadros de opressão, outrora aquecidos pelo furor imperialista do século XIV, tiveram suas bordas ampliadas à custa de muita degradação dos povos da América Latina. Se, por um lado, nos é possível arriscar o quanto de ouro, prata e demais riquezas foram expropriadas dessas terras, por outro, estamos longe de conhecer significativamente as dores sofridas pelos povos nesse território, em sustento das regalias das classes mais abastardas da Europa.
É consenso que o discurso cristão, engendrado por muito tempo por um clero burguês, contribuiu (ainda contribui?) fortemente para a construção desse quadro de opressão, servindo como aparelho de mistificação a serviço das classes economicamente dominantes. No entanto, lembrando o surgimento das comunidades primitivas cristãs, e me servindo da leitura dialética da realidade, a continuidade das mazelas sociais favoreceu o surgimento de contra-pontos no seio da cristandade e de uma abertura para o retorno aos fundamentos cristãos desgastados pelas conveniências burocráticas, institucionais e classistas. Do que estamos falando, afinal de contas?
Cresce na América Latina, de modo mais organizado e a partir do primeiro quadrante do século XX, aquilo que me parece semelhante ao ocorrido nas lutas judaicas contra a violência de grandes centros da época como, o Egito e a Babilônia: começa-se a criar, a partir de um contexto de marginalização e de sangria social, um grau organizativo das populações mais sofridas, numa articulação entre o que se tem de sofrimento concreto e a fé trajada na imagem de uma divindade capaz de libertar não só a alma, mas o corpo da fome, do desemprego, da inacessibilidade aos espaços de cultura, processos de saúde, lazer e demais dimensões que compõe o conjunto de condições básicas para uma vida digna. O que a Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (IPU) tem a ver com isso?
Sou grato por muito do que vivi e experienciei no meu trajeto pela igreja Batista. Através da igreja pude conhecer comunidades alheias a toda sorte de cuidados governamentais, e, junto a isso, compreender que o amor cristão deve ser mais do que algo que se sente só, entre paredes e liturgias religiosas. Antes, deve constituir-se como um esforço prático capaz de operar mudanças efetivas e estruturais no laço social. Esse entendimento favoreceu a minha escolha por ocupar frentes de luta que me punham em posição de militar por processos emancipatórios e de libertação das classes mais oprimidas. Nesse percurso, conheci a IPU, na pessoa do amigo e Reverendo Cláudio Rebouças, e, posteriormente, numa das reuniões com a comunidade.
O primeiro espanto que me ocorreu – e olhem que eu já vi muita coisa em minha vida –, foi ouvir e ver ser bem recepcionada numa das reuniões da IPU, uma pregação que falava sobre a urgência de discutirmos sobre machismo, racismo, gênero e participação popular na construção de uma sociedade mais justa e menos desigual, dentro da igreja. Aquilo foi um arrebatamento de sentidos, porque eu nunca tinha encontrado na igreja cristã um norte tão voltado para a ruptura de dogmas e práticas disciplinares que, em verdade, só contribuem para a manutenção de uma organização social injusta e verticalizada. Naquele momento, a IPU passou a figurar para mim – diferente do ópio com o qual Karl Marx, em 1844, comparou a crença religiosa – como um dos instrumentos estratégicos capazes de contribuir para a emancipação – da mulher, do negro, daqueles que fazem uso dos diferentes modos de experenciação da sexualidade e demais agrupamentos –, pela via da construção de uma consciência histórica e crítica sobre a vida, e, inevitavelmente, sobre a vida na América Latina.
Estamos distantes do muito que desejamos enquanto minorias sociais e ainda é possível nos depararmos com muitos resquícios de violências aqui empregadas a partir do século XV. Porém, as inquietações estimuladas em círculos como os da IPU contribuem claramente para que esse quadro social ganhe novos rumos, nortes libertários. Não seria um erro, portanto, crer ser a IPU, situada na cidade de Muritiba, uma importante ferramenta de transformação nos níveis individual e social, muito menos assumir que a sua presença no diverso conjunto cristão é um germe revolucionário.



[1] Bacharel em Psicologia pela UFRB.