ITINERÁRIO DA ESPIRITUALIDADE...

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On quinta-feira, 9 de agosto de 2018 at 18:19


Por: Cláudio Márcio[1]


“Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei MATUTE de dia e de noite” (Salmos 1.2\ Bíblia do matuto).

Ó Deus, trago na cabeça a memória da esperança. Suas promessas sinalizam que a última palavra será sempre as que saem dos teus lábios. Meu compromisso que é inadiável é estar em sua presença!
Ó Deus, sei que “uma nova mudança em breve vai acontecer”. Sei também que seu chamado reorganiza minha maneira de pensar o mundo. Pai-Mãe ajuda-me a “ver, julgar e agir”, ou seja, preciso produzir uma teologia prática a partir do chão onde piso.
Uma abordagem sócio-teológica da Bíblia que suspeite das aparências e que gere de maneira efetiva uma práxis da recriação imagética dos sonhos, pois, “o novo sempre vem”, assim, ao propor que “Deus é brasileiro e anda do meu lado”, torna-se indispensável outra experiência comigo mesmo e com o outro, isto é, “amar e mudar as coisas me interessa mais”.
Ó Deus, nosso “feijão com arroz” também é prato do Senhor. Nosso “samba, reggae” balança teus pés. Nossa “capoeira” também faz teu corpo gingar. Pai-Mãe faço essa prece a partir do território do Recôncavo da Bahia. Aqui nossa liturgia precisa tornar-se corpo, logo, ensina-me que fé-festa não é antagônico a fé-luta.
Lemos a Bíblia cotidianamente, porém, é preciso problematizar: é o suficiente? Melhor dizendo: como lemos e ou devemos olhar o texto sagrado? MATUTAR nele dia e noite significa também ser capaz de fazer (re)leituras de maneira responsável, crítica e, não menos, criativa.
Ó Deus, concordo com Júlio Zabatiero ao sinalizar: “Dentre os muitos desafios que temos de enfrentar, um dos mais importantes hoje em dia é o da imaginação de outro tipo de crente. Imaginar, criar imagens de, figurar, desenhar, sonhar, formar”.
Lembro Senhor aos meus irmãos e irmãs da IPU que nos princípios de Fé e Ordem em relação ao texto bíblico diz: “as Sagradas Escrituras são o padrão de doutrina e ética. A IPU reconhece, contudo, diante delas, o direito a diferentes posicionamentos exegéticos e teológicos os quais, sob a influência de condicionamentos históricos, culturais e sob a orientação do Espírito Santo, transformaram-se e se transformam de acordo com as necessidades dos homens e passaram a constituir verdadeiro patrimônio espiritual da Igreja Cristã”.
Trago na mão a Bíblia e a pimenta! Peço a Deus que lembre a cada irmão e irmã da IPU sua dimensão profética e encorajadora, amém!
(Prece feita em 06-08-18)


[1]  Reverendo da IPU de Muritiba (cidade serrana do Recôncavo da Bahia).