SOBRE MEMÓRIA E AVIVAMENTO...

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On sábado, 21 de janeiro de 2017 at 09:23

Por: Cláudio Márcio[1]
 Irmãos e Irmãs, Deus em sua infinita bondade fez com que nos encontrássemos mais uma vez[2]. Hoje, dia de celebração, dia de festa! Dia de rememorar para avançar! Neste sentido, é preciso refletir sobre a perspectiva da memória. Segundo o sociólogo Renato Ortiz: “As recordações não são nunca límpidas, cristalinas, elas repousam no fundo de uma tela recoberta por camadas superpostas de tinta. Diz-se que o pentimento de um quadro é o vestígio de uma composição anterior, as mudanças feitas pelo pintor, seu arrependimento, encobrem os passos do desenho original. A trilha de seu passado somente é revelada através de uma cuidadosa recuperação arqueológica. Revelar o pentimento da memória é uma tarefa delicada, é preciso cuidadosamente raspar a superfície visível de sua expressão, as marcas que encontramos, ocultas à primeira vista, testemunham uma intenção apagada pelo tempo” (ORTIZ, 2010, p.7).
Conforme abaliza a teórica Ecléa Bosi: “a memória do indivíduo depende do seu relacionamento com a família, com a classe social, com a escola, com a igreja, com a profissão; enfim, com os grupos de convívio e os grupos de referências peculiares a esse indivíduo” (BOSI, 1994, p. 54). E ainda: “... na maior parte das vezes, lembrar não é reviver, mas refazer, reconstruir, repensar, com imagens e idéias de hoje, as experiências do passado... A lembrança é uma imagem construída pelos materiais que estão, agora, à nossa disposição, no conjunto de representações que povoam nossa consciência atual. Por mais nítida que nos pareça a lembrança de um fato antigo, ela não é a mesma imagem que experimentamos na infância, porque nós não somos os mesmos de então e porque nossa percepção alterou-se e, com ela, nossas idéias, nossos juízos de realidade e de valor.  O simples fato de lembrar o passado, no presente, exclui a identidade entre as imagens de um e do outro, e propõe a sua diferença em termos de ponto de vista” (BOSI, 1994, p. 55).
Assim sendo, a memória individual existe sempre a partir de uma memória coletiva e a arte de lembrar é engajar uma imagem a outra. Esse será o nosso exercício reflexivo nesta noite, isto é, desenvolver, construir e reconstruir o avivamento da memória. Para isso é importante problematizar: O que queremos lembrar? Quais imagens seriam efetivamente desafiadoras para nossa jornada?  O Texto bíblico de Lamentações 3.21 sugere que devo lembrar o que gera esperança. Logo, é preciso lembrar que somos filhos da promessa de Deus! É preciso lembrar que Jesus Cristo é o Senhor de nossas vidas, famílias e igreja.  Torna-se importante ressaltar como diria o nosso saudoso Reverendo João Dias de Araújo. “Deus nos convida para o grande mutirão da construção do Reino de Deus”. Irmãos e Irmãs, nosso compromisso feito com Jesus de Nazaré é de salgar e iluminar este mundo.
O que queremos lembrar? Que o fenômeno religioso é cheio de ambivalências. O teólogo Rubem Alves falando sobre a religião aponta que “ela se presta a objetivos opostos, tudo dependendo daqueles que manipulam os símbolos sagrados. Ela pode ser usada para iluminar ou para cegar, para fazer voar ou paralisar, para dar coragem ou atemorizar, para libertar ou escravizar” (ALVES, 2003, p. 104). Sim, sabemos que no processo histórico por vezes a cruz se transformou em espada. Quanto sangue derramado, não? Lembrança dolorosa que também nos envergonha, uma vez que, a fé cristã atrelada a interesses civilizatórios e imperialistas fez muito corpo sofrer-gemer. Todavia, para além das denúncias, é preciso apontar para esperança. Como diz a canção de Cartola: “fim da tempestade o sol nascerá”.
O que queremos lembrar? Que no século XVI a fé reformada propõe aos humanos um reencontro com o Divino e consigo mesmo. Um novo sujeito histórico com o livro na mão lançou sementes revolucionárias do Evangelho de Cristo. Bendito seja o Senhor! O livro chegou a nossas mãos. Entretanto, não foi fácil esse processo.
O que queremos lembrar? Somos fruto do protestantismo de missão. Escolas, hospitais, jornais, isto é, muitas foram as estratégias de adaptações ao novo território e ou desejo de evangelização. Uma contribuição significativa em solo brasileiro. Seria o suficiente? Parte da juventude presbiteriana teve contato com o missionário Richard Shaull e numa rede muito mais complexa, uma grande transformação se estabelecia.
O que queremos lembrar? Queremos rememorar a trajetória e influência de figuras como: Richard Shaull, Waldo César, Jaime Wright, Paulo Stuart Wright, João Dias de Araújo, Josué Melo, Áureo Bispo, Celso Dourado, Ivan Mota Dias, Zwinglio M. Dias, Rubem Alves, etc.
O que queremos lembrar?  Do Setor de Responsabilidade Social da Igreja; Conferência do Nordeste; FENIP; IPU. O que queremos lembrar? Da criação da AFAS (Associação Feirense de Ação Social); SIM (Serviço de Integração do Migrante); CEDITER (Comissão Ecumênica de Direito a Terra). O que queremos lembrar? Que pastores e padres trocavam seus púlpitos. Precisamos lembrar que um de nossos pastores, a saber, o Rev. Josué Melo junto a um camarada pegou a marreta para derrubar o muro que causava divisão no cemitério entre católicos e protestantes.
O que queremos lembrar?  Da CESE (Coordenadoria Ecumênica de Serviços) com sede em Salvador.  Através do nome e vida da Reverenda Sônia Mota (Diretora Executiva desta instituição) registro a participação de centenas de mulheres (Diaconisas, Presbíteras, Pastoras e eclesianas da nossa amada IPU).
O que queremos lembrar? Que a IPU é uma comunidade cheia de sonhos! Irmãos e Irmãs, os desafios diante de nós são muitos. Precisamos atualizar a “agenda da IPU”. O que temos a dizer sobre o extermínio da juventude negra no Brasil? Quantos corpos ainda serão ceifados por serem homossexuais? Como encararemos um debate sério e responsável sobre a descriminalização do aborto?  Ter a presença de mulheres em nossas lideranças significa necessariamente que não temos problemas de gênero em nossas relações do cotidiano? Honestamente, não tenho respostas. Entretanto, penso que precisamos como propôs Karl Barth “ter a Bíblia em uma mão e os jornais na outra”.
 O que queremos sonhar? Com o avivamento da memória. Como abaliza um fragmento de Habacuque 3.2 “aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos”. Queremos uma comunidade cada vez mais frutífera, missionária, ética, subversiva, acolhedora. Uma comunidade que aprendeu com Jesus de Nazaré a dizer aos que estão no caminho: fica de pé e vai, ou seja, “não só a alma do mal salvar, também o corpo ressuscitar”.
O que queremos sonhar? Com uma comunidade responsável, criativa, e com menos medo de encarar os desafios.Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares” (Josué 1.9). Encerro essa reflexão exaltando a Deus pela vida da IPU. Eu encontrei em cada braço, um pouco do braço de Deus. Irmãos e Irmãs, grato pelo acolhimento. Coragem! Avante, IPU.



[1] Reverendo da Igreja Presbiteriana Unida de Muritiba-BA.
[2] Como sugere Leonardo Boff “no dito há sempre o não dito”, assim, este texto é parte do que foi refletido na 70ª AGO do Presbitério do Salvador em Governado Mangabeira-BA no dia 07-01-17, com o título: AVIVA EM NÓS AS FORÇAS DA MEMÓRIA- AVANTE IPU!

Comments:

There are 7 comentários for SOBRE MEMÓRIA E AVIVAMENTO...

Postar um comentário