MÍSTICA E RECRIAÇÃO...

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On segunda-feira, 12 de março de 2018 at 17:04


Por: Cláudio Márcio[1]

Nestes dias acabei de fazer a leitura da biografia do Frei Betto e fiquei bastante desafiado. Sim, suas redes de interdependência apontam conflitos, coragem, fé, criatividade e, não menos, compromisso com a justiça social. Deste modo, tanto no Brasil quanto na América Latina, Betto tornou-se simbolicamente uma espécie de “construtor de pontes”, isto é, um intelectual orgânico pronto para o diálogo.

De fato, para além da participação nos dominicanos propondo uma fé subversiva no contexto da ditadura militar; da sua enorme contribuição na relação entre a Igreja e o Estado em Cuba; de sua capacidade de percepção e escrita crítica e libertadora; seu legado para as CEB's e a Teologia da Libertação, entre outras relevantes perspectivas, fui extremamente afetado por sua habilidade de combinar “Mística e Revolução”, ou seja, propondo uma recriação da vida cotidiana a partir da fé que se traduz em justiça social.

Lendo os teólogos Richard Shaull e o Frei Betto, descobri que foram influenciados por Santa Teresa de Ávila, logo, fui beber um pouco dessa fonte. Tomei um gole também de São João da Cruz... Assim, entre o João da Cruz e o João Dias de Araújo, tento existir. Tento construir minha caminhada.

Bem, como reverendo da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil na cidade de Muritiba (Recôncavo baiano), este tem sido um desafio constante, a saber: como estabelecer o diálogo entre a Bíblia e a cultura? Como ser cristão hoje? Quais os limites e possibilidades na relação Igreja e Sociedade? Fé-Política é possível sem tornar-se “bancada evangélica”?  O que nos move? Quais as nossas utopias?

Com efeito, tenho colocado um “pé na Universidade e outro na Igreja”.  Ambos os espaços possuem ambivalências entre vida-morte; liberdade-cativeiro... Tive e tenho muitas crises, todavia, não tenho medo de pensar, da dúvida... Não me digam o que tenho que ser. Prefiro encontrar-me ou me perder em livros e orações. Tento ser, sendo. Vez por outra, tenho a impressão que sou visto na comunidade de fé (como muito acadêmico) e na Universidade (como muito religioso). Ah, essas “caixinhas” que limitam nossa existência! Representações sociais fixas e limitadoras. Sabe de uma: “tenho muita fé na ciência e dúvida na religião”.

Assim como Jesus de Nazaré e o próprio Frei Betto, acredito no poder da mística e da recriação. Que o Deus dançante do Recôncavo continue me chamando para roda da vida. E você, ficará de fora? Não sabe que quem não gosta de samba e ou reggae bom sujeito não é?!”



[1] Reverendo da IPU em Muritiba-BA.