SER IPU

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On quarta-feira, 30 de setembro de 2015 at 18:15

A Assessoria de Assuntos Teológicos, que tem como assessor o Rev. Claudio Marcio Rebouças, da IPU de Muritiba/BA, propõe para nós, membros da IPU, que escrevamos um pouco sobre aquilo que nos encanta e desencanta em nossa denominação, em uma forma de nos conhecermos e de promover uma reflexão teológica.
Este trabalho tem como base o texto de Mateus 16:13b que diz: "Quem dizem os homens ser o Filho do homem?"
Quem quiser participar, poderá enviar um texto, de até duas páginas,identificando-se, para nosso assessor (revcacau@hotmail.com) que irá, posteriormente, disponibilizar sua opinião neste espaço.

Participe!

Por: Vinicius Pinheiro[*]

Tenho aprendido na empreitada proposta pelo Evangelho de Jesus que o caminho estreito, da qual trata o capítulo 7 do livro de Mateus, é marcado por encontros, por contato, por aproximação, por empatia, por altruísmo, e, sobretudo, pela manifestação do amor.
Na IPU fui constrangido a seguir por este caminho. Seus membros são a evidência clara da união e da comunhão proposta por esta comunidade. Unem-se liturgia e fé manifesta no amor fraternal que é expresso na militância pelo direito do outro. O outro é quem tem vez, e se não tem voz, a IPU é provocada a ser profeta. Seu templo é apenas uma extensão do coração de seus membros que priorizam o acolhimento em detrimento dos preconceitos, da religião, dos dogmas e do moralismo.
Percebi que esta comunidade propõe uma nova ética de ser da Igreja. E digo nova em comparação ao cenário atual da igreja brasileira e não da proposta ética do evangelho existente há mais de dois mil anos. Uma ética que considera o outro, que faz teologia para o outro, que milita pelo outro, que ouve o outro, e que corre riscos pelo outro, afinal de contas... O caminho é estreito.
Vejo claramente, com os olhos da fé, este Espírito da paz e da promoção da união especificamente no líder da IPU de Muritiba – BA, Rev. Claudio Marcio Rebouças. O sucesso de uma proposta para uma igreja relevante na pós-modernidade está intimamente relacionado a capacidade de compreensão dos líderes da dinâmica social e cultural onde a Igreja se insere, a fim de, utilizando este conhecimento, promover a aproximação da Igreja com o povo, com o pobre, com os homossexuais, com as religiões e com a política. Muitas vezes fui constrangido a examinar a mim mesmo (1Co.11:28), e quando o fiz, achei a omissão e a covardia que não havia no “mano Cacau”.
A IPU é a comunidade que nos provoca a ser culto. Não o culto gramatical, mas o culto ambulante externo ao templo que dá comida ao faminto, roupas aos nus, atenção e voz aos doentes e presos, e visibilidade ao estrangeiro (Mt.25:35). Ser IPU, como pude observar no Rev. Claudio Marcio Rebouças, é ser gente, é ser - humano, é lutar por gente, é lutar por seres-humanos, é dialogar com o outro, é fazer dos dogmas o Dogma do amor.


[*] Graduando em Serviço Social na UFRB.

Comments:

There are 0 comentários for SER IPU

Postar um comentário