ITINERÁRIO DA ESPIRITUALIDADE...

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On sábado, 19 de maio de 2018 at 04:51


Por: Cláudio Márcio[1]


“E porei nervos sobre vós e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós estenderei pele, e porei em vós o espírito, e vivereis, e sabereis que eu sou o SENHOR”. (Ez 37.6)

Como vale de ossos secos, por vezes, é a realidade em que estamos inseridos.
Todavia, o sopro misterioso do Espírito Santo (re)cria nossa existência.
Sei que não estás preso ao cronograma de grupos religiosos dizendo que dia e como deves agir.
Sua manifestação é plural e existencial, logo, não há limites geográficos e muito menos monopólio de grupo algum.
Como sinaliza Rubem Alves: “eles possuem o pássaro empalhado e nunca o encantado”.
Gosto de te perceber de maneira simples no chão das praças da cidade.
Sorrindo com crianças ao dançar ciranda.
Ajudando o “peão que roda na roda da vida”, pois, “a luz do Senhor alivia a dor que é forte demais”.
Espírito Santo, desperta o sonho de homens e mulheres “de bem” nos diversos setores da sociedade.
Fortalece o movimento ecumênico na América Latina.
Provoca as juventudes em suas utopias por justiça social e emancipação humana.
Faz com que aqueles e aquelas (de cabelos brancos e rugas no rosto) que tanto se doaram continuem frutificando.
Faz-nos entender que a vida irá triunfar. O sol nascerá!
 A flor trará beleza e perfume para nosso caos.
Teu fogo trará purificação e um novo tempo.
Movido por Ti, desejo ir de mãos dadas com o outro que é sinal teu, amém!
(Prece feita em 19-05-18)


[1]  Reverendo da IPU de Muritiba (cidade serrana do Recôncavo da Bahia).

ITINERÁRIO DA ESPIRITUALIDADE...

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On quinta-feira, 17 de maio de 2018 at 06:48


Por: Cláudio Márcio[1]



A  mão de Deus nos une e liberta!
Essa é nossa declaração de fé.
Fraternos em oração que produz a redenção.
Processos de escuta, alteridade, empoderamento na mesa da comunhão.
Ah, Pai-Mãe, temos tantos desafios, porém, nossos pés vão à Tua direção.
Resistimos com a Bíblia na mão, uma vez que, nosso coração arde ao experimentar a polifonia dos textos (re)lidos para emancipação.
Sim, “não só a alma do mal salvar, também o corpo ressuscitar”.
Ajuda-nos a agir com compaixão com aqueles e aquelas que encontramos nas esquinas da vida.
Pai-Mãe, que o mapa da violência que sinaliza o extermínio da juventude negra não seja uma realidade não refletida em nossas escolas dominicais.
Que a violência contra mulher não seja legitimada por leituras machistas do texto sagrado.
Que os jovens espancados por sua sexualidade homossexual não sejam uma realidade naturalizada nos templos religiosos e ou pátio escolares.
Que os parceiros que lutam por moradia e terra não sejam identificados como “vagabundos”, uma vez que, a lógica: “ farinha pouca meu pirão primeiro” é equivocada. Há muito pirão, porém, concentrado na mão de poucos.
Senhor, Piedade de nós, Amém!
(Prece feita em 17-05-18)


[1]  Reverendo da IPU de Muritiba (cidade serrana do Recôncavo da Bahia).