QUE EU POSSA VER...

Postado por Cláudio Márcio | | Posted On quinta-feira, 13 de junho de 2013 at 19:51


Ao abrir os olhos mais uma manhã, um mundo de possibilidades aparece diante de mim, mas, vez por outra, não vejo de forma satisfatória para continuar caminhando (motivado-encantado) na jornada. Assim, vejo o que já sei e, não me permito ampliar o olhar experimentando a beleza da vida, da novidade. Sim, a vida também é bela. Isso não significa ser alienado diante de relações sociais hierárquicas e desiguais que oprimem tantos humanos em solo brasileiro. Contudo, seja na religião, no partido político, na ONG, na ciência, na natureza... Há possibilidade de encantar-se e reinventar-se criativamente e criticamente em favor da vida e do bem comum.
            Deste modo, onde e com que olhos eu vejo o mundo? É possível está olhando e não ver? Tenho a impressão que o nosso olhar está acostumado e que perdemos a curiosidade de saber, de conhecer. Nem queremos óculos novos, nem colírio... Será que precisaríamos perder a visão para enxergarmos melhor? Lembro ao escrever este pequeno texto do irmão Antista (em memória) da IPU em Muritiba, acredito que, mesmo deficiente visual, enxergava melhor do que muita gente. Sempre sorrindo, brincando e abençoando crianças menos favorecidas de nossa comunidade. O nosso irmão Antista como era conhecido, via sem poder ver.
            Ora, o discurso religioso pressupõe uma missão, uma visão, porém, o que salta aos olhos é uma prática hegemônica e excludente de grupos que se "apoderam" de representações do sagrado e, por isso mesmo, pensam que são donos de Deus.
            Acabo de ler o livro de Derval Dasílio sobre Jaime Wright: o pastor dos torturados. Das muitas impressões e desafios que este livro sinaliza, chamou minha atenção para a relevância de homens e mulheres que em instituições ecumênicas serviram a Deus de forma radical. Isto é, salgando-iluminando vidas que diante de estruturas de morte estavam sendo em nome da ordem, da construção da nação e de Deus, sendo moídas como a cana na máquina de moer, mas, onde estava a doçura neste contexto? Se for possível esta leitura, penso que elas estariam nos laços de companheirismo estabelecidos nos porões da ditadura militar. Sendo assim, homens e mulheres promoviam a justiça e o direito à vida de forma profética impulsionados por fé, por ideologias, por sonhos de uma nação mais igualitária nas relações sociais.
 Cabe apontar que não estou negando o campo religioso enquanto um campo de disputa, pois, seria muita inocência para um estudante de Ciências Sociais. Entretanto, interessa-me problematizar os esquemas e interesses que nos separam e, vez por outra, nos aproximam. Evidente que cada grupo social possui seu ethos, mas, isso nos impede de refazer o olhar em um exercício de alteridade que dignifica o humano. Sim, sei que cada palavra apontada aqui possui significados distintos para saberes específicos. Daí, a defesa de que os grupos religiosos precisam dialogar não só com outros grupos religiosos, mas, com outros saberes.
            De fato, o que vejo hoje é diferente do que um dia meus olhos contemplaram... Por que temos tanto medo de mudar? Penso que podemos-precisamos problematizar o que muda-permanece em nossas relações sociais, pois, não estamos soltos no mundo. Pensando com Norbert Elias, somos indivíduos-sociais. E, mudar os óculos e ou colocar colírio significa necessariamente perceber como estamos presos a essas redes invisíveis onde sofremos e exercemos poder. Ou seja, a religião seria uma rede diante de tantas redes que estão diante de nós...
            Confesso que a rede da religião (que é plural) tem desencantado bastante minha jornada, sobretudo quando percebo esquemas em busca de poder e prestígio em nome de Deus... Porém, tenho colocado meus olhos no sorriso de crianças, na luta de jovens, nos conselhos e mãos firmes das "velhinhas" da comunidade... Nossa EBD “sem” monopólio do discurso pastoral, nossas culturais onde a vida está sendo celebrada, temos "brincado" com Deus com cultos leves e refeições que fortalecem a comunhão... Confesso também que estas atividades e o sopro do Espirito têm me encantado, me enchendo de vida... Assim, desejo servir ao Criador cada vez mais. Não tenho medo de Deus, tenho consciência de um favor que eu não mereço. Logo, a graça do camarada de Nazaré é o bastante para mim.
Aqui, olhando com Deus no buraco da fechadura, com curiosidade de sociólogo em compreender-transformar-celebrar o mundo nosso de cada dia, pois, fé e razão me seguiram todos os dias da mina vida.
Por: Cláudio Márcio

Comments:

There are 4 comentários for QUE EU POSSA VER...

Postar um comentário